• Brenda Moreno

Protetor físico e químico: qual o melhor para o seu tipo de pele?

Atualizado: Jul 16

Sabe-se que os protetores solares têm a função de proteger nossa pele contra as radiações solares, sendo a melhor prevenção contra o fotoenvelhecimento e o câncer de pele.


Mas quais são os efeitos da radiação solar sobre nossa pele?


Sol entre as nuvens
Sol entre as nuvens

O sol é essencial para a vida na Terra. Ele nos traz vários benefícios, como: estimula a produção de melanina, nos dá a sensação de bem estar físico e mental, assim como ajuda no tratamento da icterícia. Entretanto, caso não tenhamos o devido cuidado, pode nos trazer vários problemas, como o melanoma.


O espectro solar que atinge a superfície da Terra é formado, principalmente, por radiações ultravioletas, visíveis e infravermelhas. Sendo que os raios ultravioletas possuem o menor comprimento de onda, logo, são os mais energéticos, ou seja, esse é o tipo de radiação que mais induz reações fotoquímicas e que tem a maior facilidade de penetrar profundamente a derme, promovendo o fotoenvelhecimento.


A faixa de radiação ultravioleta pode ser dividida em três partes:

  • UVA: esse é o tipo de radiação ultravioleta mais penetrante, levando então ao bronzeamento da pele, mas também é o principal responsável pelo fotoenvelhecimento, isto é, causa a alteração das fibras de colágeno, elastina e leva a formação de radicais livres. Portanto, com a constante exposição sem a devida proteção pode levar a fotossensibilização, ou seja, causa danos ao DNA e leva ao aparecimento de rugas e flacidez.

  • UVB: já a radiação UVB é menos penetrante, mas não deixa de ser nociva à nossa pele. Ela pode chegar a derme papilar, logo, pode causar alterações às fibras de elastina e de colágeno, mas também chega a epiderme, promovendo então a sensação de ardência, vermelhidão e queimaduras.

  • UVC: esse é o tipo de radiação UV de maior energia, logo, é altamente lesiva aos seres vivos. Entretanto, ela é absorvida pelo oxigênio e pelo ozônio da camada de ozônio, ou seja, nenhuma radiação UVC chega à superfície da Terra.

De um modo geral, todo tipo de radiação UV leva a perda de água e ressecamento da pele, fazendo-a perder elasticidade, provocando o aparecimento de manchas, descamação e eritema. Logo, essa exposição a longo prazo provoca a diminuição da imunidade, o que favorece a proliferação de células anormais aumentando as chances do desenvolvimento do câncer de pele. Sendo assim, para reduzir as chances disso acontecer, é necessário que se faça o uso de protetores solares diariamente, mesmo naquelas estações do ano mais frias.


Tipos de protetores solares


Criança aplicando o protetor solar
Criança aplicando o protetor solar

Protetores solares físicos ou inorgânicos também podem ser chamados de bloqueadores solares, pois eles agem como uma barreira física. Eles são compostos, principalmente, por dióxido de titânio e/ou óxido de zinco, os quais não são absorvidos pela pele, como no caso dos protetores solares químicos. Dessa forma, isso faz com que ainda fique uma película esbranquiçada sobre a pele da pessoa, o que permite um efeito imediato. Sendo assim, quando os raios UVA e UVB atingem a superfície da pele, eles são refletidos pelos minerais e então não conseguem atravessar as células da pele.


Esse tipo de protetor é mais indicado para aquelas pessoas que estão passando por algum tratamento dermatológico, grávidas, crianças, além daquelas pessoas que apresentam algum quadro alérgico ou de sensibilidade cutânea.


Protetores solares químicos ou orgânicos também podem ser chamados de filtros solares, os quais agem como uma barreira química. Eles são formados por ativos orgânicos, os quais são responsáveis por absorver a radiação ultravioleta e transformá-la em formas de energia não prejudiciais à pele. Além do mais, diferente dos protetores solares físicos, eles têm a capacidade de formar uma película transparente sobre a pele e precisam ser aplicados pelo menos 20 minutos antes da exposição ao sol para fazer efeito.


Esse tipo de protetor é indicado para todas as pessoas que não apresentam restrições ou problemas de pele.


Desse modo, tanto os protetores solares físicos quanto os químicos reduzem o efeito carcinogênico por meio da absorção, reflexão ou dispersão da radiação e, também, previnem o fotoenvelhecimento.


Além do mais, segundo a RDC n°47 de 16 de março de 2006, os protetores solares são considerados cosméticos. Logo, nós, da Terapêutica Jr., podemos te ajudar a construir a formulação teórica, tanto do seu protetor solar, quanto de outro cosmético que você esteja idealizando. Caso você queira saber mais sobre como desenvolvemos a formulação teórica temos um post no Linkedin que explicamos e, caso você tenha alguma dúvida, basta entrar em contato!


Curtiu o conteúdo? Quer ficar por dentro de assuntos semelhantes? Siga a Terapêutica Jr. nas redes sociais e não se esqueça de curtir e compartilhar também!


Referências:

https://www.scielo.br/j/qn/a/3XPvt4JWXMcFg3hrh76CBzv/?lang=pt

https://www.saudedireta.com.br/docsupload/1356276270FPS.pdf

https://www.loreal-paris.com.br/protetor-solar-fisico-ou-quimico-saiba-a-diferenca-entre-os-filtros-e-escolha-a-melhor-opcao-para-sua-pele?gclid=CjwKCAjwqvyFBhB7EiwAER786ZXCpoTcpmNBxiogLE6xetxiTGZDR77h-zFxMkoPiZLPIf6irE9BLhoCqlIQAvD_BwE



19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Contate-nos

Obrigado pelo envio!

Universidade de Brasília Brasília DF Brazil

©2021 by Terapêutica Jr.. Proudly created with Wix.com